Trabalho escravo e eleições II

17jan10

No último dia 10 publiquei aqui uma lista de 16 políticos que foram eleitos nas últimas 4 eleições com ajuda financeira de empresas ou pessoas presentes na Lista Suja do Trabalho Escravo.

Chegamos a essa relação após o cruzamento dos CNPJs e CPFs constantes da lista do Ministério do Trabalho com o rol de empresas/pessoas doadoras a campanhas eleitorais, informações que estão disponíveis em sites do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) referentes às eleições de 2002, 2004, 2006 e 2008.

O cruzamento de dados foi realizado por Eduardo Leoni e Narcélio Filho.

Se no dia 10 publiquei a relação dos políticos eleitos com recursos de empregadores da Lista Suja, hoje apresento a lista de políticos que não conseguiram se eleger.

São 13 nomes, sendo 4 do DEM (ex-PFL), 3 do PSDB e 2 do PTB. Os outros 4 são de 4 partidos diferentes: PMDB, PP, PPS e PT.

Quase todos foram candidatos em estados do Norte ou do Nordeste: Tocantins (4), Sergipe (2), Alagoas, Bahia, Maranhão, Pará e Rio Grande do Norte.

Apenas dois estão fora do eixo N-NE:

  • Paulo Gilberto Gouvea da Costa. Deputado federal por dois mandatos (1995-1999 e 1999-2003), tentou sem sucesso renovar o mandato pelo então PFL (hoje DEM) de Santa Catarina em 2002, quando recebeu R$ 500 da Indústria Ervateira Anzolin, presente na Lista Suja do Trabalho Escravo por irregularidades na cidade de Vargem Bonita-SC e
  • Vilceu Francisco Marcheti. Hoje secretário estadual no Mato Grosso, foi candidato a deputado estadual pelo ex-PFL (hoje DEM) em 2002, quando recebeu R$ 10 mil de Antenor Santos Alves Jr. Antenor está na Lista Suja desde junho de 2004 por irregularidades em fazenda no município de Novo São Joaquim-MT.

Nove desses 13 candidatos foram completamente derrotados nas urnas. Os outros 4, porém, conseguiram a suplência. Dois desses suplentes estão atualmente em exercício:

  1. Janice Braide, deputada estadual no Maranhão. Ela assumiu o cargo em maio de 2009, na vaga de Max Barros e
  2. Goretti Reis, deputada estadual em Sergipe. Ela assumiu em janeiro de 2009, na vaga de Valmir Monteiro.

Na campanha eleitoral de 2006, Janice recebeu R$ 100 mil de Antônio José de Assis Braide, incluído na Lista Suja em dezembro de 2008 por manter 46 pessoas em situação de escravidão contemporânea em uma fazenda no município de Santa Luzia (MA).

No mesmo ano, Goretti engordou a receita de sua campanha em R$ 20 mil, graças à doação de José Rodrigues dos Santos, incluído na Lista Suja em dezembro de 2008 por manter 48 pessoas em situação de escravidão contemporânea em uma fazenda no município de Capinzal do Norte (MA).

Os outros dois suplentes beneficiados com recursos de empregadores da Lista Suja são:

Entre os 9 derrotados está José Wilson Siqueira Campos, três vezes governador de Tocantins (1989-1991,1995-1998 e 1999-2003). Na eleição de 2006, quando tentou voltar ao governo candidatando-se pelo PSDB, Siqueira Campos recebeu R$ 10 mil de Adenílson Rodrigues da Silva.

Adenílson está na Lista Suja desde dezembro de 2004 por irregularidas em fazenda na cidade de Cumaru do Norte, no Pará.

A lista completa com o nome dos 13 políticos está aqui.



One Response to “Trabalho escravo e eleições II”


  1. 1 Escrevinhador

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: